You are here

O Ranking de Shanghai para 2022, a Universidade de Lisboa e o contributo do Instituto Superior de Agronomia

O Ranking de Shanghai para 2022, a Universidade de Lisboa e o contributo do Instituto Superior de Agronomia
ShanghaiRanking2022

Shanghai Ranking’s Global Ranking of Academic Subjects, considerado um dos mais prestigiados rankings mundiais na avaliação do desempenho científico, revelou agora que a Universidade de Lisboa é uma das 100 melhores universidades do mundo no estudo das Ciências Agrárias. Nesta avaliação estão incluídos critérios de produtividade, influência científica, internacionalização, prémios académicos e colaboração internacional nas áreas da Agronomia, Horticultura, Aquicultura, Ciências dos Solos, Florestas, Agricultura e Ciência Animal, e Ciência das Plantas.

O Instituto Superior de Agronomia (ISA), enquanto a escola da Universidade de Lisboa líder no estudo das Ciências Agrárias, apresenta um forte contributo para esta posição de destaque mundial. Relatório recente, realizado com base no banco de dados internacional de artigos em jornais/revistas académicos, Scopus-Elsevier, revela que o ISA é a Escola portuguesa com mais investigação científica publicada nos ultimos cinco anos, nas área das Agronomia e Ciências de Produção Agrícola, Ciência Animal e Zoologia, Ciências Alimentares, Floresta e Ciências dos Solos. O relatório revela ainda que no contexto internacional, o ISA posiciona-se ao nível das melhores universidades europeias em ciências agrárias e florestais, atingindo uma taxa de 7% de crescimento anual, do número de publicações nos últimos cinco anos. Destacam-se, entre outros, o aumento da colaboração internacional (5%), do número de artigos publicados no top 10% dos mais citados (15%) e do número de publicações do top 10% dos melhores jornais e revistas científicas a nível mundial (8%).

António Guerreiro de Brito, Presidente do ISA, considerou que:

"O ranking de Shangai, o mais reputado sistema métrico de avaliação das universidades, atesta o desempenho científico da Universidade de Lisboa e, por maioria de razão, do Instituto Superior de Agronomia, mostrando, mais uma vez, que a nossa instituição continua a liderar no ensino, na investigação e na inovação para o desenvolvimento no domínio das Ciências Agrárias em Portugal”.