You are here

Estudos

1 - Instituições / Acordos Bilaterais

A mobilidade de qualquer estudante está dependente da existência de um acordo bilateral entre as Instituições de Origem e de Acolhimento atendendo a sua área de estudo. Os alunos podem escolher como destino uma instituição em qualquer país autorizado da Europa, desde que esta faça parte da Lista de Acordos Bilaterais do ISA.

Aconselha-se os alunos que tenham interesse em usufruir da Mobilidade Erasmus em Barcelona ou em Ljubljana a escolherem um ano letivo completo para frequência de disciplinas.

2 - Duração do Período de Estudos

O Programa Erasmus+ não apresenta limitações em relação ao número de vezes que um estudante pode participar nas atividades de mobilidade, dentro de um mesmo ciclo de estudos. Os estudantes podem fazer o número de mobilidades (para estudos e/ou para estágio) que lhes seja possível no âmbito do ciclo de estudos que frequentam, desde que:

- Não ultrapassem os 12 meses no total das mobilidades (conjunto do período de mobilidades para estudos, para estágios e como recém-graduados) realizadas dentro do mesmo ciclo de estudos;
- Caso já tenham realizado mobilidade no âmbito do Programa LLP-Erasmus, dentro do mesmo ciclo de estudos, a duração total da mobilidade realizada, desconta nos 12 meses de mobilidade a que têm direito no âmbito do Erasmus+.

3 - Trabalho Final

O estudante deverá, antes de partir para estágio, promover o contacto entre o orientador do ISA e o orientador na Universidade estrangeira, de forma a definir o plano de estudos, o qual deverá incluir o tema, o conteúdo, a metodologia e a estrutura do trabalho.

4 - Condições de Candidatura

Podem candidatar-se ao Programa ERASMUS+ mobilidade para estudos os estudantes de qualquer ciclo de estudos conferente de grau (Licenciatura, Mestrado ou Doutoramento) e de acordo com os seguintes requisitos:

- No caso dos estudantes de Licenciatura, a mobilidade ERASMUS+ só é permitida para estudantes matriculados a partir do 2.º ano, ou acima, e que tenham obtido um mínimo de 60 ECTS.
- Os estudantes regularmente inscritos num curso conferente de grau (Licenciatura, Mestrado ou Doutoramento), independentemente da sua nacionalidade;
- No caso de já ter realizado mobilidades ao abrigo do Programa Erasmus, durante o atual ciclo de estudos, deve ter em atenção que a duração total de todas as mobilidades Erasmus (as realizadas e a que se propõe realizar) não pode ultrapassar os 12 meses, independentemente do número de vezes que participou, ou do tipo de ação (estudos / estágio / períodos combinados);
- Não são permitidas mobilidades para o País de residência oficial do estudante.

5 - Seriação dos Candidatos

Terminado o processo de candidatura, os estudantes são ordenados em função dos seguintes critérios:

  1. Média ponderada das classificações das Unidades Curriculares já realizadas com base na informação disponibilizada na Ficha Curricular;
  2. Número de Unidades Curriculares (UC) já realizadas;
  3. Menor número de matrículas para atingir o número de créditos ECTS.

Os critérios de seleção permitirão atribuir uma nota de classificação calculada de acordo com as fórmulas seguintes:

  1. Alunos de 1º Ciclo

[(Média ponderada x 0,9) + (nº UC realizadas x 0,1)] – [(nº inscrições no Ciclo de Estudos- 3) x 0,1]

  1. Alunos de 2º Ciclo

[(Média ponderada x 0,9) + (nº UC realizadas x 0,1)] – [(nº inscrições no Ciclo de Estudos - 2) x 0,1]

O resultado conduzirá à distribuição dos candidatos no “ranking”, que servirá para apurar a Universidade de Acolhimento, com base nas opções indicadas pelo aluno aquando da sua candidatura sobre as escolas em que pretende realizar a mobilidade.

6 - Candidaturas para a mobilidade no ano letivo 2017/2018

O período de candidaturas, para mobilidades durante o 2º Semestre de 2017/2018, encontra-se a decorrer até 15 de julho.

Os alunos poderão candidatar-se atendendo as vagas disponíveis e mediante o preenchimento do formulário online.

7 - Selecção dos Candidatos

Para consultar o resultado da seriação das Candidaturas para o Ano Letivo 2017/2018, clique aqui.

8 - Documentos a entregar após selecção dos candidatos

9 - Aprovação do Plano de Estudos

Os alunos seleccionados deverão ter, antes do início da mobilidade, um plano de estudos que perfaça 30 ou 60 créditos ECTS, consoante o seu período de estudos na Universidade de acolhimento seja de 1 ou de 2 semestres lectivos, respectivamente. O plano de estudos deverá ser previamente aprovado pelo Coordenador Científico do Programa Erasmus+ no ISA. Ou seja, deverão saber a priori se as disciplinas que desejam frequentar terão equivalência no ISA, sendo evidente que esta só será concedida após confirmação a posteriori. Neste processo, bem como no estabelecimento das equivalências, o Coordenador Científico conta com a colaboração das Comissões de Curso.

Após a aprovação do Plano de Estudos por parte da Comissão de Curso e da Coordenadora das Relações Internacionais, o aluno deverá preencher, assinar e entregar nas Relações Internacionais um Learning Agreement.

Antes do preenhimento do Learning Agreement, sugerimos a leitura de "Guidelines on how to use the Learning Agreement for Studies".

10 - Equivalências

O estudante ao finalizar o período de estudos no estrangeiro deverá apresentar o Requerimento para creditação de ECTS realizados noutras Universidades, o certificado das disciplinas realizadas (classificação obtida e respectiva escala), bem como uma declaração de estadia, o programa da disciplina, número e tipo de horas de aula leccionadas e créditos ECTS. Estes documentos deverão chegar devidamente assinados e certificados pela Universidade de Acolhimento e serão entregues no ISA, no Gabinete de Relações Internacionais, que os fará chegar ao Coordenador Científico do Programa Erasmus+, que decidirá acerca de equivalência solicitada.

11 - Transposição de Notas

A transposição de notas será feita pelo responsável pelo Programa Erasmus+, com a ratificação do Presidente do Conselho Científico, de acordo com critérios uniformizados. A saber:

  • sempre que haja acesso a uma classificação absoluta na escola de acolhimento, a transposição para a escala nacional (0-20) será feita tendo em atenção uma relação directa entre as respectivas escalas (por vezes os professores estrangeiros classificam, igualmente, os alunos na nossa escala. Neste caso a transposição fica automaticamente feita);
  • quando houver apenas uma classificação na escala ECTS (A-E), procurar-se-à saber qual foi a distribuição de notas na disciplina equivalente no ISA, e essa distribuição será usada para a transposição da nota, de acordo com os critérios básicos das classificações ECTS;
  • no caso dos trabalhos finais de curso, estes estão sujeitos às mesmas regras de outras disciplinas. A avaliação do estudante deverá ser feita na escola de acolhimento. Ao finalizar o período de estudos no estrangeiro, o estudante deverá trazer um comprovativo do trabalho realizado (programa e duração do trabalho), bem como os créditos e a avaliação correspondentes. No caso da avaliação do estudante não ser feita na Universidade de acolhimento, não poderá ser concedida equivalência ao abrigo do Programa Erasmus+. Neste caso, o orientador no ISA terá um papel determinante na possível elaboração de um relatório escrito, relativo ao trabalho realizado no estrangeiro, sujeito a discussão e avaliação, de acordo com o regulamento do Trabalho de Fim de Curso no ISA.

12 - Regulamento de Mobilidade de Estudantes do Programa Erasmus+

Para mais informações pode consultar o Regulamento Erasmus.

13 - Exigências linguísticas ou outras especificidades

Porque há Universidades de Acolhimento que definem exigências especificas para aceitar alunos estrangeiros, sobretudo ao nível das competências linguísticas, devem os candidatos consultar cuidadosamente as webpages destas, de forma a garantir a posse das competências exigidas, bem como as formas de as comprovar.
Ao ISA não cabe fazer prova das competências exigidas aos alunos, nem será responsável pela não aceitação dos candidatos pela Universidade de Acolhimento devido a motivos desta natureza.

14 - Normas para a Gestão das Subvenções Erasmus

Sugere-se a ligação à webpage da Agência Nacional Erasmus+, na qual são disponibilizados, entre outros documentos sobre o Programa Erasmus+ e os direitos e deveres dos estudantes que usufruem deste programa de mobilidade, o Guia Erasmus+ e a Carta de Estudante Erasmus.
Para obter informação sobre os direitos do estudante no estrangeiro, aconselhamos a leitura do Guia dos Direitos dos Estudantes em Mobilidade na União Europeia.

As bolsas de mobilidade disponíveis são administradas pela Agência Nacional, que possui a responsabilidade da gestão global dos fundos comunitários. Para o efeito, a Agência Nacional assina com a Comissão Europeia um Contrato, no qual se compromete gerir os fundos comunitários do Programa Erasmus+, Acção Mobilidade (bolsas de Mobilidade de Estudantes) e tomar as medidas necessárias à distribuição das bolsas aos estudantes elegíveis, de acordo com as prioridade definidas no Plano de Acção Nacional.

15 - Bolsas de Mobilidade

As bolsas Erasmus destinam-se, única e exclusivamente, a cobrir as despesas de mobilidade e não a totalidade dos custos inerentes aos estudos no estrangeiro. Visam apenas cobrir as despesas extraordinárias decorrentes do período de estudos no estrangeiro e não abrangem despesas que os estudantes suportariam normalmente no estabelecimento de origem.

De modo a facilitar o acesso a este programa, os estudantes que sejam bolseiros dos Serviços de Acção Social da ULisboa, ou que sejam portadores de deficiência, têm precedência na atribuição de bolsa.

A Comissão Europeia definiu 3 grupos de países, para os quais estipulou a atribuição de valores fixos de bolsa (poderá consultar a tabela de bolsas aqui). Neste sentido, as bolsas serão atribuidas de acordo com o valor do país de destino. Contudo, não é possível garantir a atribuição de bolsa a todos os alunos, nem para todos os meses em mobilidade.

Para mais informações poderá consultar o site da Agência Nacional Erasmus+: http://www.erasmusmais.pt/ (educação e formação)

  • Para consultar a listagem das Bolsas de Mobilidade para Estudos Erasmus+ 2017/2018 clique aqui.
  • Para consultar a listagem das Bolsas de Mobilidade para Estudos Erasmus+ 2016/2017 clique aqui.
  • Para consultar a listagem das Bolsas de Mobilidade para Estudos Erasmus+ 2015/2016 clique aqui.
  • Para consultar a listagem das Bolsas de Mobilidade para Estudos Erasmus+ 2014/2015 clique aqui.

Para consultar os critérios para atribuição das bolsas, clique aqui.

16 - Documentos a entregar no final da mobilidade

Aquando o final da mobilidade, e não excendendo 15 dias após finalizar esse período, deverá entregar nas Relações Internacionais os seguintes documentos:

  • Declaração de Estada/ Letter of Confirmation, assinado e carimbado pelo Coordenador Erasmus da Instituição de Acolhimento;
  • Certificado de Notas;
  • Programa das disciplinas devidamente autenticados (assinados e carimbados) pelo Docente ou pelo Coordenador Erasmus da Instituição de Acolhimento;
  • Declaração de frequência no Curso de Língua com as datas de frequência expressas (se aplicável);
  • Comprovativo da submissão da Avaliação Linguística online (se aplicável).